Mulher grávida, teve medicamento negado e justiça condena plano de saude. Confira os detalhes desse caso:

A Unimed Goiânia terá de indenizar em R$ 3 mil uma beneficiária do plano de saúde por recusa no fornecimento de medicação para tratamento domiciliar. A consumidora estava grávida e precisava tomar o medicamento Enoxaparina (Clexane) para combater risco de aborto. Além disso, teria de fornecer o referido remédio. A decisão é da Primeira Turma Recursal dos Juizados Especiais de Goiás. Os magistrados seguiram voto da relatora, juíza Stefane Fiúza Cançado Machado, que manteve sentença de primeiro grau.

A solicitação da paciente e negativa do plano de saúde:

A mulher em questão é beneficiária do plano de saúde desde maio de 2015. Por estar grávida e ser portadora de trombofilia, foi prescrito por sua médica tratamento com o referido medicamento, a fim de combater o risco de aborto.

Contudo, a Unimed Goiânia se negou a autorizar o fornecimento do referido remédio. O argumento foi o de que, pelo fato de o tratamento ser oral e domiciliar, não seria abrangido pela cobertura contratada.

Em primeira e segunda instância, a sentença foi favorável à consumidora.

Em primeira instância, a sentença foi favorável à gestante. Assim, a Unimed ingressou com recurso sob a justificativa de a Resolução Normativa nº 428 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não prevê a realização de tratamento domiciliar com medicamentos, sendo apenas realizado em caso de internação. Alegou ainda, que não há a previsão legal de tratamento médico domiciliar, apenas médico hospitalar e que não pode ser alterada a cobertura, nos termos contratuais, sob pena desequilibrar o plano de saúde, com reflexos sobre os outros contratantes.

Contudo, ao analisar o recurso, a Desembargadora relatora destacou que a recusa de custeio da medicação, pelo fato de ser oral e domiciliar e assim não estar abrangida pela cobertura do plano contratado, revela-se abusiva. Principalmente em virtude da urgência do procedimento (mãe gestante), com sério risco de vida ao neonato. Assim, considerou abusiva cláusula contratual que determina a exclusão do fornecimento de medicamentos pela operadora do plano tão somente pelo fato de serem ministrados em ambiente ambulatorial ou domiciliar.

Além disso, salientou que o procedimento em questão foi solicitado pela médica que assiste a beneficiária do plano. Cabendo a esta profissional a indicação do melhor tratamento, exame e acompanhamento da paciente. Não podendo o plano de saúde em questão negar a sua realização, sob pena de risco à sua integridade física e psicológica.

Justiça condena plano de saúde em danos morais

Em seu voto, a Desembargadora disse ainda, que a negativa do plano de saúde extrapolou a esfera do mero aborrecimento.

Isso por se tratar de caso de urgência, sendo que a consumidora foi privada de ter acesso a um medicamento necessário ao desenvolvimento regular da sua gestação. “No mais, a recusa do fornecimento do medicamento para o tratamento recomendado pela médica da beneficiária do plano, afeta o estado emocional e psicológico da parte contratante, configurando dano moral”, completou.

Essa notícia foi útil para você?

Deixe nos comentários ou se preferir, envie por email ou nos seguintes contatos abaixo!

Por fim, vale destacar com toda clareza, que a proteção da vida e saúde são diretos destacados como básicos do consumidor e paciente e, assim, sujeitos a providências rápidas e efetivas quanto a reparação dos danos causados em reembolso do plano de saúde.

Informe-se e lute pela sua saúde e justiça!

__________________________________________
Advogada Rita Soares
Defesa do seu bem mais precioso: a vida com saúde!
Email: contato@ritasoares.adv.br

Clique aqui e fale com a gente pelo Whatsapp!

Redes Sociais: @advogadaritasoares

Share.

Deixe um comentário

× Whatsapp do Escritório Rita Soares