Há menos de um mês, comentamos aqui no blog o caso da paciente Daniele Bueno em Mato Grosso e ontem, dia 12, foi divulgado o laudo pericial que buscava concluir se o erro médico foi a causa da morte dessa paciente após a cirurgia plástica mal sucedida.  

Erro médico causa morte de paciente?
O caso Daniele Bueno

A jovem operou pelo Programa Plástica para Todos que atua em Cuiabá em divulgação no Facebook, em que médicos de outros estados operam com parcelamento de até 12 vezes com a contratação do programa.

Segundo informações em um grupo no qual foi anunciado, as plásticas variam de R$ 4,9 mil a R$ 12,8 mil e são realizadas por 3 médicos em todo o país. Os profissionais não são de Mato Grosso. Daniele foi operada no Hospital Militar onde sofreu uma parada cardíaca e foi levada por UTI móvel para o Hospital Sotrauma, onde faleceu, no dia 13 de maio.

Mulher morre após cirurgia plástica
o que podemos aprender com o caso?

Erro médico causa morte de Daniele?
O resultado do laudo pericial

O laudo pericial sobre o caso da esteticista Daniele Ferreira Lima, apontou que ela morreuem decorrência de um choque hemorrágico, em função de sangramento durante a lipoaspiração.

Desta forma, a perícia técnica afirma que a morte da mulher não foi uma fatalidade e aponta suposto erro médico. A informação foi divulgada na tarde desta terça pela Polícia Civil.

A delegada Alana Cardoso, responsável pelas investigações do caso, afirma que o laudo da Politec aponta a possibilidade de que a gordura retirada da esteticista pode ter sido superior à que seu corpo suportaria. Desta forma, ela relata que há a possibilidade de ter havido erro médico.

“Há indícios disso. O laudo diz que houve incompatibilidade do quadro clínico da paciente quando ela foi submetida à cirurgia com o fim do procedimento. O que levou a isso? É trabalho da investigação policial agora”, pontua.

“Há indícios, no laudo, de que houve uma conduta [durante a cirurgia] que tem responsabilidade no campo criminal”, acrescenta.

A delegada Alana afirma que toda a documentação do caso será analisada. Haverá também auxílio técnico, possivelmente de cirurgiões, para avaliar como foi realizado o procedimento estético.

O perito João Marcos Rondon de Lima relata que a quantidade de gordura retirada da mulher fez com que ela perdesse muito sangue. “A hemorragia foi em decorrência da lipoaspiração. Se ela não tivesse feito o procedimento, não teria ido a óbito”, completa.

“Não houve nenhum tipo de perfuração em grandes vasos ou órgão, nem nada que sugerisse um sangramento específico em uma parte do corpo. Houve uma lipoaspiração que fez com que o exame de sangue dela evoluísse para uma anemia profunda”, acrescenta.

A paciente sofreu choque hemorrágico – queda na pressão arterial em razão da diminuição da quantidade de sangue – e parada cardiorrespiratória após os procedimentos cirúrgicos, que ocasionaram o quadro que culminou em sua morte.

“Precisamos manter contato com toda a equipe médica e pessoas que presenciaram o pós-cirúrgico para analisar o caso. A investigação está apenas começando”, diz a delegada.

Vamos continuar acompanhando o desenrolar dessas investigações se o erro medico causa morte de Daniele.
Lembre-se: a segurança do paciente está acima de qualquer coisa!

A advogada Rita Soares comentou um pouco sobre esse caso da Daniele Bueno nesse vídeo:

 Acho que fui vítima de erro médico. O que fazer?

Erro médico causa morte de paciente ou não, são inúmeras complicações possíveis. Nesses casos, é recomendável que pacientes que acreditam terem sido vítimas de erro médico consultem a opinião de outro especialista médico para avaliar a conduta do profissional responsável pelo procedimento.

Há, inclusive, diversos profissionais médicos que estão habituados a elaborar relatórios periciais para juízes. Estes estão mais familiarizados com jargões e exigências jurídicas, de forma a apresentar relatórios em formatos mais adequados para servir de lastro em uma ação judicial.

Clique aqui e entenda de uma vez por todas o que é erro médico

Para subsidiar o médico que irá analisar o caso, o paciente deverá reunir o máximo de documentos possíveis, tanto anteriores quanto posteriores ao tratamento, sendo essenciais os laudos de exames realizados e o prontuário médico.

Além disso, a paciente deve procurar um advogado especializado em erro médico, que analisará seus documentos, o caso em particular e orientará sobre os seus direitos e próximos passos  a fim de  ajuizar a ação contra o médico e/ou contra outras partes envolvidas, tais como o Distrito Federal, Estado ou União, quando o tratamento tiver sido realizado através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Podendo, ainda, responsabilizar o Hospital, a clínica e até mesmo a operadora de plano de saúde, quando se tratar de cirurgia particular. Cada caso deve ser analisado individualmente pelo advogado de confiança do paciente.

Na ação, caberá pedido de indenização por danos materiais, morais, lucros cessantes (que são valores que a paciente deixou de receber em razão da incapacidade proporcionada pelo erro médico) e pedido de pensão, quando tiver havido o óbito do paciente e ficar demonstrado que este era o provedor da família.

Foi vítima de erro médico? Você pode procurar por seus direitos!

Aproveite e deixe um comentário!

Se precisar de alguma coisa, entre em contato!

Até mais!

Author

Write A Comment

Como posso ajudar?Contato com a Advogada
+